terça-feira, 11 de agosto de 2009

Palavras desbotadas

Estou vazia de palavras
Caderno e caneta, nada além de brancura em folhas
Madrugadas adentro, sem sono, sem encanto
Alguma espera
Mas as palavras são as mesmas, repetidas e desbotadas
E me lembro dos dias do dançar do vento
De borboletas em meu cabelo
De pôr-do-sol em meus olhos na janela
E de você, meu mais doce pecado
Que tolhia minhas orações
Sei que ainda vive em mim
Eu te amei primeiro.

Na foto, amiga, Veluma, estudante de Artes Cênicas na Universidade de Brasília.

8 comentários:

LUA DA PAZ disse...

VELUUUUUUUUUUUMA!!
Estudei com a Veluma da 7ª ao 1º ano.
HUAHUAHUAHA

AH! E o poema foi magniífico.

wendell dos reis disse...

MEU DEUS! Rafa... Ótimo o texto, sem medo de errar... É prazeroso ter um encontro tão bom com as palavras, como seu texto proporciona...

Rafaela disse...

Nunca estudei com ela, mas no 2° ano ela era do "A" e eu do "D". Trabalhamos juntas num projeto de arte pra MOSTRA (que você foi, lembra?) e fizemos parte do grêmio estudantil "fantasma" do JK ano passado! hauahauahauahauahaua :D

Rosamélia disse...

Lindo o texto, maravilhoso...
Você é minha poetiza viva preferida. rsrsrsrsrs

Carina Leal disse...

Lindo,choreei,mas as palavras ditas não voltam mais,me fez refletir....
Beijos

Carina Leal disse...

Ameii,me faz refletir e sentir saudade do que passou,saudade boa.

LUA DA PAZ disse...

http://www.youtube.com/watch?v=oa8zN4ElAFM

JHON MANZAN disse...

Nossa muitoo bomm.
lindoo...
^^
muito profundo e sincero.
parabéns!