terça-feira, 4 de outubro de 2011

A menina do cabelo roxo

Eu não era muito parecida com ela, me sentia desinteressante quando ela estava por perto. Ia diminuindo, diminuindo... até desaparecer.
Ela tinha a coragem de um cabelo roxo da cor de flores do cerrado que deixava suas costas nuas, eu invejava tamanha ousadia, tanta rebeldia em um rosto sereno; ela tinha uma bicicleta laranjada e muitas leituras acumuladas, tinha um olhar verde triste de palmeira quase seca, assim como o meu. A despeito de parecer sempre feliz quando falava, minha fala era vazia e sem cor perto dela.
O mundo era só dela. Ele era só dela. E eu desaparecia. Me perguntava se alguém um dia olhou para mim como eu olhava para ela, encantada por todo seu mistério.
Queria conhecer seu diário de memórias, saber o que guarda embaixo de sua cama, se deixa a poeira acumular sobre a estante, queria suas roupas de algodão cru emprestadas, seu xampu e seu perfume.
Menina do cabelo roxo, você anda triste? Perdeu seu sonho, seu tom? Quem desejaria outra se possuísse você?

2 comentários:

Camila Lua Oliveira disse...

eu AMO esse texto.

nofinodofio disse...

lembrei de uma mulher que eu admirava, perto da qual tb me sentia mt pequena. me calava. ela era magrinha, tinha o cabelo bem comprido, meio loiro, ondulado. namorada de um cara que eu admirava e pelo qual acabei me apaixonando. ou me apaixonei pelos dois? hj eles ñ estão mais juntos. cada um deles contruiu família com outras pessoas. e eu? ainda ñ tenho desejo d construir uma família, tou só estudando... mas o tempo passa. as pessoas seguem caminhos q a gnte acha q elas ñ vão seguir.