quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Sobre escrever e estar triste, ou vice-versa.

"Será que ela sempre terá que passar por isso pra escrever suas músicas?" - disse o pai de Amy Winehouse numa entrevista de seu DVD Live in London, a respeito de vê-la sofrer ao se dar mal num relacionamento. "Todos passam por coisas assim, não?" - disse ela jogando o cabelo pelos ombros. "Quando canto uma canção, tento me lembrar de como me senti no momento em que a escrevi. Termino quase sempre em lágrimas." Am I a little bit Amy Winehouse?
Boas notícias então. Ou más. Brancura em folhas novamente.
Não tenho mais palavras doces a proferir sobre sofrimento, essas que geralmente me cabem tão bem... Motivos para estar triste? Sempre. Motivos para estar feliz? Um basta para anular todos os outros.
Vim aqui escrever já que conheci um moço muito simpático há pouco tempo que disse ler meu blog há dias. Ler meu blog tudo bem. Há dias é covardia! Me desnuda um bocado!
Estarei voltando. Com outros motivos de inspiração agora. Rios de palavras dentro de mim. Vou abrir a represa.

Um comentário:

Lua da Paz disse...

O que eu preciso mesmo é de chuva de alguma coisa pra ter alguma represa. Porque para mim estar triste ou alegre não basta, é necessário alguma coisa que nunca sei o que é, nem quando está já. Não é o incomum, nem o comum... eu sei lá. Sei que é da chuva que eu preciso, chuva de alguma coisa.